Lula aperta a mão de Maluf

Alguém disse uma vez que todo o homem, em especial o político, tem seu preço, o que não significa que todos tenham valor. O aperto de mão de Lula em Maluf, por maior que seja a repulsa que o gesto provoque, é algo comum no mundo quase sem limites da política. Lula pode ter arranhado um pouco sua biografia pelo preço que aceitou pagar por dois minutos a mais no horário da propaganda eleitoral. Por outro lado, se não o fizesse, os tucanos já estariam prontos para apertar a mão, o pé e talvez até a bochecha de Maluf. Lula foi mais esperto — politicamente — e somente antecipou-se a eles.

No entanto, quando me lembro do que representa Maluf para a política brasileira, da sua colaboração com a ditadura militar e das suas vergonhosas roubalheiras, acabo sentindo uma grande tristeza. Mesmo entendendo a intenção de Lula, acho que nada vale esse aperto de mão, porque Maluf tem as mãos e a alma sujas. Não creio que a vitória ou a derrota do PT em São Paulo dependa diretamente desses dois minutos do partido de Maluf. Mas errar é humano e o povo sabe que Lula é humano e erra — e por isso o adora. Já Maluf é e sempre será, apenas e tão somente, uma excrescência.

Autor: Rui Pizarro

Um espaço para comentários, opiniões, debates, fotografias e celebrações de amizades, novas e antigas. Os temas vão da política à religião, do futebol ao budismo, do amor à raiva, da literatura ao jornalismo, do bom humor às manias e da poesia ao passado. Sejam bem-vindos amigos, irmãos. camaradas e companheiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *