Conselho budista aos que gostam de julgar

“Um sujeito estava colocando flores no túmulo de um parente, quando vê um  chinês colocando um prato de arroz na lápide ao lado. Ele se vira para o chinês e pergunta:

– Desculpe-me,  mas o senhor acha mesmo que o seu defunto virá comer o  arroz? 

E o chinês responde:

– Sim, geralmente na mesma hora que o seu vem cheirar as flores!”

Respeitar as opções do outro “em qualquer aspecto” é uma das maiores virtudes que um ser humano pode ter. As pessoas são diferentes, agem diferente e pensam diferente. Nunca julgue. Apenas compreenda.

Autor: Rui Pizarro

Um espaço para comentários, opiniões, debates, fotografias e celebrações de amizades, novas e antigas. Os temas vão da política à religião, do futebol ao budismo, do amor à raiva, da literatura ao jornalismo, do bom humor às manias e da poesia ao passado. Sejam bem-vindos amigos, irmãos. camaradas e companheiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *